Arquivo da Categoria: Poemas ou coisa que o valha…

Cultivar Poemas ou a vinheta embaçada

Eu curto poemas curtos. Os poemas curtos têm a vantagem de, caso eu não os entenda, não me cansarem; Caso eu os entenda, são mais fáceis de serem decorados e declamados; Caso eu quase os entenda, podem ser lidos várias … Continuar a ler

Publicado em Fotopoema, Poemas ou coisa que o valha..., Uncategorized | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , | 12 Comentários

A Superfície do Poema, a cultura enciclopédica e uma “certa loucura”.

Minha cultura é enciclopédica. Muitas informações generalizadas, genéricas e generosas e um raso, ralo e róseo conhecimento de cada uma delas. Enfim a cultura enciclopédica é o saber suficiente para puxar assunto e não ficar de fora de rodas de … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | Etiquetas | 12 Comentários

A Poesia e a Musa

A Poesia é uma corrente. Um arrastão que vem em ondas como amar. Como o mar. Bebo o mar. Maresia. A poesia corrói a corrente que o poeta quer manter. A Poesia é uma corrente e é com um grilhão … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | 15 Comentários

Pra não dizer que não falei de política ou o Caos a partir de Era uma vez um cavalo que falava inglês

Política, heróis e o caos pela morte do Petit Pra não dizer que não falei de política, oficializo que meu herói não veste toga. Havia um personagem que eu gostava, que usava tanga (Tarzan). Meu (ou Véi),na boa, HERÓI, mesmo, … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | 23 Comentários

Das Crises, Musas e Esfinges e da Droga de um Poema Pirado

Conheci a Musa na Grécia. A Musa é grega. Ela me visitaria eventualmente. Esperei e ela não veio. Culpa da crise na economia grega, talvez. Viajar do Olimpo até a minha cabeça não recebeu o  subsídio e nem a aprovação … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | 20 Comentários

Era uma vez um poème misèrable

Once upon a time e lá estava eu, doido, doído, pensando ser poliglota. Ser troglodita era o que era. Pero, inglês, porém, era só para iniciar contos de fadas e terminar o meu nome. Português me lembrava fado.  Amava atrizes … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | 12 Comentários

De flertes, neologismos e poesia ao soneto mal-acabado…

       Flerto com neologismos. Então inventei o verbo amarejar, composto por amar e marejar. Amar, verbo difícil de explicar (aqui no sentido de paixão); marejar, verter em lágrimas. Não sei se foi o amar que engoliu o mar de … Continuar a ler

Publicado em Poemas ou coisa que o valha... | Etiquetas | 19 Comentários