Era uma vez um poème misèrable

Once upon a time e lá estava eu, doido, doído, pensando ser poliglota. Ser troglodita era o que era. Pero, inglês, porém, era só para iniciar contos de fadas e terminar o meu nome. Português me lembrava fado.  Amava atrizes francesas e então resolvi me expor por elas: Deneuve, Bardot, Binoche, Moreau, Adjani.  Était une fois La femme fatale em matinée do Cine Rissi, em Cacequi. Mais tarde um pouco, por coincidência, a prima Lucia preencheu minha inscrição no vestibular com a opção pelo francês como língua estrangeira. Nunca havia tido uma aula da língua de Victor Hugo. Estava fadado. Cismei de escrever um poema em uma linguagem franco-portuguesa.  Claro que só poderia ser recheado de lugares comuns, mas imaginava o charme e a sedução daquelas atrizes e de seus biquinhos (entendam como quiserem) a cantarem, a declamarem minha pequena obra. E, por cenário para mon petit poème, a cidade que me adotou após aquele vestibular, supracitado. Para completar, uma homenagem à Joana Francesa do Chico (Jeanne Moreau, chic), o Buarque:

Maria Francesa

“Marie, Marie, Marie“

Tu rias pra mim

“Ça va, ma cherie”?

Um dedo ou mão de prosa

Roubei uma Rosa

Cantei “Pout-pourries”

 

Era uma Deneuve

Uma “ Belle de Jour“

“Demoiselle en bleu“

Um anjo de azul

Jurei meu amor

”Dieu Merci Beau-coup”

 

Um brinde no Cristal

Assim ”en passant”

Na Copacabana

Um ”Crepe”, um ”croissant”

Um amor uma cabana

Uma febre terçã

 

Mas te foste de mim

Sem “Au revoir”

Ao revoar das aves

Que sobrevoam árvores

Na Saldanha Marinho

Ao entardecer

 

“Mise-en-scène”

Acena em meio a luzes

Sem Câmera, sem Ação

Em frente ao Cine Glória

Teve nossa história

Final infeliz

 

Ainda pensei assim

“C’est la vie”

E a vi rumo à estação

Vestindo verde organdi

E era mesmo a vida

Que eu via partir

 

Qual “femme fatale”

De um filme “noir”

Desfez-se no ar

E eu passei do Ponto

Eu bebi o bar

Eu beberia o mar

“Marie, Marie, Marie…”

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poemas ou coisa que o valha.... ligação permanente.

12 respostas a Era uma vez um poème misèrable

  1. Tânia Teresinha Lopes diz:

    Ah! Gostei!

  2. lucia diz:

    Maravilhoso ,,,,,,,,,,,,,amei mesmo.

  3. Orlando Fonseca diz:

    Très beau, très fou.

  4. Liginha diz:

    BRAVO!! BEIJO CARINHOSO!!

  5. Marlon Cezar diz:

    Este eh meu compositor preferido. Parabéns.

  6. Renato Murailh diz:

    É uma beleza. Avaliada, ouvida, por autoridades no assunto (lit), na Feira do livro. É necessãrio e indispensável que se possa ler e ter um escrito sofisticado, perante ao que se ouve comumente por aí; As letras de rápida assimilação, feitas para o consumo das massas. É chic, é doce, emocionante e rica. É uma daquelas coisas que se qualifica como obra-prima. abraços

  7. Luciana Farias diz:

    Linda demais meu amigo!!!

  8. Aline Sanders diz:

    Ai que lindo, adorei!
    Parabéns!!!

  9. Aramis diz:

    Un poème rien misérable. Est très belle. Félicitations, que les dieux de la poésie débordement de votre inspiration.

  10. Nádia Ribas diz:

    Amigo Raul, tua poesia é rica no contexto humano, urbano, consegue ser sofisticada e simples ao mesmo tempo!
    Segue escrevendo pois é muito bom, fazer estas leituras!

  11. Ernesto diz:

    O Cara, tu é o Cara. Nem quem pensa que te conhece a muito, não deixa de se surpreender. Meta bala, não, melhor meta a caneta.

  12. Liz diz:

    Parabéns! Lindo, criativo, inteligente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s